Embaixada de Portugal no Luxemburgo

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Bem-vindo à página da Embaixada de Portugal no Luxemburgo

 

Bem-vindo à página da Embaixada de Portugal no Luxemburgo. Neste sítio ser-lhe-ão disponibilizadas múltiplas ligações que lhe permitirão aceder a informações relevantes sobre Portugal e o Luxemburgo, bem como fornecidas indicações úteis acerca das diversas vertentes do relacionamento bilateral luso-luxemburguês e das atividades da Embaixada.

Portugal inclui-se entre os primeiros países que estabeleceram relações diplomáticas com o Luxemburgo (em 1891) e mantém com o Grão-Ducado  um relacionamento intenso, potenciado pela forte presença aqui de um elevado número de residentes portugueses.

A dimensão semelhante de ambos os Estados e a partilha de valores e interesses comuns constituem também importantes elementos facilitadores das trocas bilaterais, que têm conhecido nos últimos anos um particular dinamismo.

Espero que esta página possa contribuir para um melhor conhecimento mútuo dos dois países.

Carlos Pereira Marques

Embaixador de Portugal no Luxemburgo  

Orçamento Participativo Portugal (OPP) 2018

Foi aprovada em Conselho de Ministros uma Resolução para o Orçamento Participativo Portugal (OPP) 2018 que, este ano, abrange todas as áreas de governação. O valor global do OPP 2018 são 5 milhões de Euros e em 2018 as pessoas podem apresentar propostas para o OPP através do site https://opp.gov.pt/, preenchendo um formulário muito simples no qual indicam as áreas de governação em que se inscreve a sua proposta.

OPP

Todas as áreas de governo estão elencadas neste formulário OPP. Já se iniciou a fase de apresentação de propostas, que decorre até dia 24 de abril. No site será encontrada uma área para apresentação de propostas em https://opp.gov.pt/submit, assim como outra onde vão sendo publicadas as propostas apresentadas até dia 24 de abril em https://opp.gov.pt/p

Espetáculo “Moçambique”, no Théâtre National du Luxembourg

O Centro Cultural Português – Camões tem o prazer de anunciar o espetáculo“Moçambique”, de Jorge Andrade e Mala Voadora, que terá lugar no Théâtre National du Luxembourg, em português legendado em inglês, dias 8 e 9 de fevereiro pelas 20h 00, e de divulgar a informação infra.

mocambique

“Para os portugueses que voltaram para Portugal após a independência de Moçambique, ou mesmo antes, a História política mistura-se com a sua história de vida. Não se trata apenas do mero facto de essas pessoas terem sido protagonistas da História, ou de uma parte de uma História, mas também do que isso implica no seu olhar sobre os próprios acontecimentos que protagonizam. Por um lado, o que se passa é político: está em causa a autonomia de um território, um regime de governação, paradigmas ideológicos. Por outro, há a vida de cada um: carreiras profissionais, lugares de poder, casas e propriedades, um determinado nível de vida e um determinado estatuto… enfim, o sentido de “realização pessoal”. Naturalmente, é difícil ser suficientemente isento para separar estas duas coisas, e a política certa parece sempre ser a que mais nos favorece. Queremos uma História boa para a nossa própria história. O espetáculo Moçambique tem a ver com esta dicotomia, simples mas difícil: o confronto entre o mundo impalpável da ideologia e, por outro lado, o quotidiano das relações sociais que vai configurando o estatuto dos indivíduos uns perante os outros (marcado pela nossa natural vaidade).”

Texto, direção: Jorge Andrade ; Cenografia e figurinos: José Capela ; Video: ANIMA e Bruno Canas ; Banda sonora: Rui Lima e Sérgio Martins ; Luz: Rui Monteiro; Coreografia: Bruno Huca Com: Tânia Alves, Jorge Andrade, Welkett Bungué, Bruno Huca, Matamba Joaquim, Jani Zhao, Isabel Zua

Coprodução: Mala Voadora, Teatro Municipal Maria Matos, Teatro Municipal do Porto Rivoli / Campo Alegre e Teatro Viriato.

Exposição de Pedro Calapez "Lieux Inhabitables" no Camões - Centro Cultural Português

A exposição de Pedro Calapez, “LIEUX INHABITABLES”, está patente no Centro Cultural Português - Camões , 4, place Joseph Thorn, L – 2637, Luxembourg, até 9 de abril de 2018.

A inauguração teve lugar na quinta-feira, 1 de fevereiro.

 inauguracao da exposicao de pedro calapez 10

inauguracao da exposicao de pedro calapez 62

inauguracao da exposicao de pedro calapez 66

 

 

Nesta exposição são apresentadas obras de três séries de 2017: Espelhos, Ruídos, Inóspitos

“Não existem terras estrangeiras, só o viajante é estrangeiro” Robert Louis Stevenson

“Segundo Proust, depende do acaso cada indivíduo adquirir ou não uma imagem de si próprio, ser ou não ser capaz de se apropriar da sua experiência.” Walter Benjamin

"Que lugares quero? Conheço-me numa folha de papel branco. Mas pleno de cores como me encontro nele? Na tranquilidade do meu sótão, rodeado dos meus livros e objectos, encontrados aqui e ali, a viagem começa numa pequena folha de papel, conduzida por uma cor que insiste em deslizar até ao seu bordo. Perco o que me rodeia. Inseguro, um território desconhecido me espera. Penso fazer uma casa, um jardim, fazer crescer a paisagem até ao limite do meu olhar. E nada disso acontece. Não vale a pena pensar no que quero. Esse é um campo no domínio do conhecido, do já vivido. As cores invadem-me e a sua ordem não se estabiliza. A cada movimento o meu gesto é contrariado. Fico a olhar para o espaço que estou a construir e que não reconheço mas que desejo. Pressinto lugares distantes, pessoas estranhas, ambientes contaminantes, acessos difíceis. Paisagens áridas, sem vida. Porque este espaço que as minhas mãos descobrem passo a passo constrói-se no oposto do lugar em que me encontro. Será inabitável? Procurar sobreviver, é o que tento agora, afastando a tinta nos caminhos do papel. Sobreviver? Em vão tento encontrar-me neste terreno inóspito mas o que pressinto é um lento mergulhar no mar das cores. Estou presente em cada um destes outros lugares e olho através do vermelho, azul, verde. Na dobra de qualquer das cores está o meu olhar. Que encontre estes lugares antes de morrer ou jamais os encontre depende unicamente do acaso, do desejo, da esperança? Ou é assim que o mundo acaba?"

 

Trabalhadores portugueses terão mais direitos

Os Governos de Portugal e do Luxemburgo alcançaram, no dia 12 de janeiro, um entendimento de princípio que permitirá a realização de formação profissional em língua portuguesa para trabalhadores emigrantes no setor da construção civil e outras atividades manuais.

Esta possibilidade era ansiada pelos sindicatos luxemburgueses há mais de uma década ,e os termos de um acordo foram obtidos numa reunião, no Luxemburgo, entre o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e o Ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicholas Schmit. Os termos exatos da colaboração serão assinados até ao final de março.

José Luís Carneiro com Nicolas Schmit

“O objetivo é estabelecer um quadro de oferta de formação profissional em língua portuguesa, com materiais de apoio em português”, para permitir aos trabalhadores portugueses no Luxemburgo o acesso a três dimensões fundamentais: formação contínua, reconversão profissional e reconhecimento e validação de competências técnicas específicas, contextualizou José Luís Carneiro no final do encontro.

“Muitos formadores são de origem portuguesa, o que já ajuda, mas agora queremos criar um quadro para facilitar a cooperação ao nível da formação profissional, sobretudo no setor da construção, facilitando a utilização da língua portuguesa”, referiu o ministro Nicholas Schmit. “Vamos trabalhar para criar um quadro para que ninguém seja excluído da formação por razões linguísticas”, acrescentou.

O acordo vai abranger o Instituto de Formação Setorial da Construção (ISFB na sigla luxemburguesa), que esteve representado no encontro, mas é vontade do Ministro do Trabalho luxemburguês que sejam incluídas outras entidades ligadas à formação contínua.

José Luís Carneiro, após prévia articulação com o Ministério do Trabalho português, manifestou a disponibilidade de Portugal para financiar a criação de manuais em língua portuguesa e para colaborar a outros níveis no domínio da formação. “Iremos dar conta desta possibilidade ao Ministro do Trabalho, Vieira da Silva, que tem a tutela do emprego e formação, para que possa determinar a melhor solução do ponto de vista técnico e político para a colaboração entre os dois países”.

Um acordo muito aguardado

Desde 2002 que a lei luxemburguesa exige um diploma emitido pelo IFSB para progredir no escalão profissional e poder aumentar o salário. Os cursos são necessários também para os trabalhadores desempregados que querem obter novas competências. O problema é que, para os emigrantes portugueses, que representam a maioria dos trabalhadores no setor, tal significa fazer formação e exames em luxemburguês, alemão ou francês, idiomas que a maioria não domina, ficando impossibilitados de aceder a essa formação.

A central sindical luxemburguesa OGB-L reclamava a possibilidade de organizar cursos de formação em português desde 2002, tendo estado previsto um acordo em 2008 que, por razões diversas, não foi concretizado. Num encontro formal com o Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, e com o Embaixador de Portugal naquele país, Carlos Pereira Marques, no dia em que o entendimento foi alcançado, 12 de janeiro, os dirigentes sindicais Carlos Pereira e Hernâni Gomes regozijaram-se com o significado do acordo.

Desde a tomada de posse que o atual Governo português trabalhou nesta prioridade política. Afirmando estar muito satisfeito com este acordo, o Secretário de Estado das Comunidades não deixou de “elogiar o trabalho desenvolvido pelo Embaixador português” e de reiterar “a importância de os trabalhadores portugueses aprenderem uma das línguas [do país], como o francês”, não só “para a sua integração profissional como social”.

Nesta visita José Luís Carneiro esteve acompanhado pelo Embaixador de Portugal no Luxemburgo, pelo presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos, e ainda pelo Cônsul-Geral no Luxemburgo, Manuel Gomes Samuel.

O programa incluiu ainda encontros com o Secretário-Geral do Sindicato dos Professores do Estrangeiro, Carlos Pato, e a entrega da Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas ao cidadão lusodescendente Davide Sousa.

José Luís Carneiro reuniu com o Ministro do Trabalho do Luxemburgo

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, entrega Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas ao cidadão lusodescendente Davide Sousa

José Luís Carneiro entrega medalha de mérito a cidadão lusodescendente

Na sua deslocação ao Luxemburgo, no dia 12 de janeiro, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, entregou a Medalha de Mérito das Comunidades Portuguesas ao cidadão lusodescendente Davide Sousa.

No momento da distinção, José Luís Carneiro enalteceu a “cidadania comprometida com o Estado de Direito democrático” de Davide Sousa, oficial da polícia luxemburguesa que já realizou missões internacionais de paz na Geórgia, na Bósnia e em Itália. Davide Sousa, filho de emigrantes portugueses originários de Chaves no Luxemburgo, investigou e revelou uma fraude com subsídios sociais com dimensão europeia no Luxemburgo.

“Uma das funções essenciais do Estado democrático é apoiar os que mais carecem de apoios públicos, mas, para que esta função de solidariedade possa ser cumprida, é necessário que apenas usufruam destes apoios aqueles que efetivamente deles necessitam. Ora, este cidadão com origens em Portugal não apenas tem mostrado estar comprometido com os valores da paz e do humanismo europeu, como, ao mesmo tempo, exibiu uma cultura de compromisso com uma cidadania exigente e responsável”, vincou José Luís Carneiro.

Entrega da Medalha de Mérito das Comunidades a Davide Sousa

Davide Sousa, que já tinha recebido o prémio de cidadão do ano atribuído pelo Parlamento Europeu em 2017, disse ser “extremamente gratificante perceber que o Estado português não se esquece dos lusodescendentes que nos vários pontos do globo tentam manter a língua, a cultura e as tradições de Portugal vivas, perpetuando-as a outras gerações e comunidades com as quais convivem”.

Apesar de ter nascido no Luxemburgo, Davide Sousa continua a falar português, tanto no trabalho como em casa. “A minha filha mais velha, que tem cinco anos e meio, já fala quatro línguas, incluindo português correto”, referiu.

Contactos

282, route de Longwy
L – 1940 Luxembourg

+352 46 61 90 – 1
luxemburgo@mne.pt (Geral)
sec.luxemburgo@mne.pt (Secretariado)

Mais informação

Ligações úteis

Logotipo Portal das Comunidades Portuguesas

logo

Logotipo Carreiras Internacionais

Logotipo Turismo de Portugal

Logotipo AICEP - Portugal Global

Logotipo Portugal Economy Probe

Logotipo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua

Logotipo Instituto Diplomático