Embaixada de Portugal no Luxemburgo

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Exposição de Pedro Calapez "Lieux Inhabitables" no Camões - Centro Cultural Português

A exposição de Pedro Calapez, “LIEUX INHABITABLES”, está patente no Centro Cultural Português - Camões , 4, place Joseph Thorn, L – 2637, Luxembourg, até 9 de abril de 2018.

A inauguração teve lugar na quinta-feira, 1 de fevereiro.

 inauguracao da exposicao de pedro calapez 10

inauguracao da exposicao de pedro calapez 62

inauguracao da exposicao de pedro calapez 66

 

 

Nesta exposição são apresentadas obras de três séries de 2017: Espelhos, Ruídos, Inóspitos

“Não existem terras estrangeiras, só o viajante é estrangeiro” Robert Louis Stevenson

“Segundo Proust, depende do acaso cada indivíduo adquirir ou não uma imagem de si próprio, ser ou não ser capaz de se apropriar da sua experiência.” Walter Benjamin

"Que lugares quero? Conheço-me numa folha de papel branco. Mas pleno de cores como me encontro nele? Na tranquilidade do meu sótão, rodeado dos meus livros e objectos, encontrados aqui e ali, a viagem começa numa pequena folha de papel, conduzida por uma cor que insiste em deslizar até ao seu bordo. Perco o que me rodeia. Inseguro, um território desconhecido me espera. Penso fazer uma casa, um jardim, fazer crescer a paisagem até ao limite do meu olhar. E nada disso acontece. Não vale a pena pensar no que quero. Esse é um campo no domínio do conhecido, do já vivido. As cores invadem-me e a sua ordem não se estabiliza. A cada movimento o meu gesto é contrariado. Fico a olhar para o espaço que estou a construir e que não reconheço mas que desejo. Pressinto lugares distantes, pessoas estranhas, ambientes contaminantes, acessos difíceis. Paisagens áridas, sem vida. Porque este espaço que as minhas mãos descobrem passo a passo constrói-se no oposto do lugar em que me encontro. Será inabitável? Procurar sobreviver, é o que tento agora, afastando a tinta nos caminhos do papel. Sobreviver? Em vão tento encontrar-me neste terreno inóspito mas o que pressinto é um lento mergulhar no mar das cores. Estou presente em cada um destes outros lugares e olho através do vermelho, azul, verde. Na dobra de qualquer das cores está o meu olhar. Que encontre estes lugares antes de morrer ou jamais os encontre depende unicamente do acaso, do desejo, da esperança? Ou é assim que o mundo acaba?"

 

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail